Untitled Document
MatLit_MED

World Wide Book: A Digitalização e o Livro
Sandra Bettencourt | Manuel Portela
CLP | Universidade de Coimbra

 

1.

Codices Electronici Sangallenses (CESG) – Virtual Library
http://www.cesg.unifr.ch/en/index.htm
Diretores de Projeto: Christoph Flüeler e Ernst Tremp. Data de publicação: 2005-2014 [em curso]. Acesso aberto.


 

Figura01

Codices Electronici Sangallenses é a biblioteca virtual da Abadia de São Galo, na Suíça, uma das maiores bibliotecas de manuscritos monásticos do mundo. Da coleção de cerca de 2100 manuscritos produzidos entre os séculos VIII e XV, foram digitalizados 537 até à data. A digitalização deste valioso património histórico do livro iniciou-se através de um projeto-piloto em 2005-2006, que abrangeu 130 manuscritos medievais. Além da incorporação da informação bibliográfica disponível nos diversos catálogos, a versão digital adotou o módulo dedicado aos manuscritos da norma de codificação eletrónica XML TEI-P5. Esta norma permite não só a partilha de dados e a interoperabilidade com outros projetos de digitalização do património documental, mas também múltiplas formas de pesquisa estruturada relativa à metainformação de cada manuscrito e do conjunto da coleção (data, língua, suporte material, existência de iluminuras ou de notação musical, função e tipologia do livro, etc.). A entrada para cada manuscrito contém três níveis de representação: ‘Overview’, uma apresentação integral da obra, que permite visualizar a página singular ou planos de duas páginas, situando-os na sequência do códice; ‘Facsimile’, uma apresentação de visualizações em miniatura de grupos de 12 imagens correspondentes a 12 páginas; e ‘Description’, uma apresentação da descrição bibliográfica constante nas diversas catalogações de cada manuscrito. No nível da informação descritiva é possível ainda visualizar a marcação XML da descrição bibliográfica. A exploração de cada fac-símile digital pode ser feita através de ferramentas de ampliação e rotação da imagem. O menu de navegação permite quer uma deslocação horizontal entre diferentes páginas, quer uma deslocação vertical para o conjunto do manuscrito e para a sua descrição. A interface desta biblioteca virtual é apresentada em quatro línguas: alemão, inglês, francês e italiano.

Bibliografia relacionada:
Nelson, Brent and Melissa Terras, eds (2012). Digitizing Medieval and Early Modern Material Culture. Tempe, AZ: Arizona Center for Medieval and Renaissance Studies Publications/ ITER.
Burrows, Toby (2010). “Applying  Semantic Web Technologies to Medieval Manuscript Research.” Kodikologie und Paläographie im digitalen Zeitalter/Codicology and Palaeography in the Digital Age 2: 117-131.

 

2.

Digital Scriptorium
http://bancroft.berkeley.edu/digitalscriptorium
Diretora atual: Consuelo W. Dutschke. Data de publicação: 1997-2014 [em curso]. Consórcio de Bibliotecas. Acesso aberto.


 

Figura02

Projeto coordenado pela Biblioteca da Universidade da California em Berkeley, Digital Scriptorium é uma base de dados de imagens digitais de manuscritos medievais e renascentistas que fazem parte das coleções de diversas bibliotecas norte-americanas. Entre as 41 bibliotecas referidas na listagem atual de participantes, incluem-se a Biblioteca Pública de Nova Iorque e as Coleções Especiais de diversas bibliotecas universitárias, como a Biblioteca Houghton da Universidade de Harvard, a Biblioteca Beinecke da Universidade de Yale, a Biblioteca de Livros Raros e Manuscritos da Universidade de Columbia, a Biblioteca Lilly da Universidade de Indiana e a Biblioteca da Universidade de Johns Hopkins, entre outras. Na falta de recursos para uma digitalização e catalogação eletrónica integral de todos os manuscritos, o objetivo principal é proporcionar uma amostragem de fac-símiles selecionados de manuscritos das diferentes coleções, que possam ser usados no ensino e na investigação. As imagens são transferidas pelos diferentes parceiros para o sistema de gestão de conteúdos digitais da Biblioteca da Universidade de Berkeley (WebGenDB) de acordo com um conjunto de normas pré-definidas, procurando garantir um nível equivalente de metainformação e protocolos comuns de digitalização. Neste momento, a base de dados contém 40,842 imagens correspondentes a 12,402 textos, num total de 8,161 manuscritos. Além dos modos de pesquisa básica e avançada, é possível aceder aos manuscritos digitalizados através da biblioteca de origem ou da língua do texto. As imagens são fornecidas em três versões, com baixa, média e alta resolução. A possibilidade de pesquisar e visualizar de forma agregada as descrições e representações digitais de um conjunto vasto de manuscritos dispersos, de diferentes tradições codicológicas, constitui a principal potencialidade desta base de dados. A sua principal limitação – que advém da lógica de limitação do acesso público digital às coleções das bibliotecas participantes – é a não disponibilização integral dos fac-símiles das obras.

Bibliografia relacionada:
Dutschke, Consuelo W. (2013). “Digital Scriptorium as a Construction Site for Ascertained Manuscripts.” Nataša Golob, ed. Medieval Autograph Manuscripts: Proceedings of the XVIIth Colloquium of the Comité International de Paléographie Latine, held in Ljubljana, 7-10 September 2010. Turnhout: Brepols Publishers. 281-289.

 

3.

Artists' Books Online
http://www.artistsbooksonline.org/
Diretora: Johanna Drucker. Gestor de Projeto: Eric Rettberg. Data de publicação: 2006. Universidade da Virginia. Acesso aberto.


 

Figura03

Artists' Books Online é uma coleção em linha de fac-símiles digitais de livros de artista, acompanhada pela disponibilização de ensaios críticos, metadados, recursos e ligações relacionados com os livros de artista da coleção. Pela sua variedade e rigor dos objetos apresentados e do exercício de curadoria e reflexão descritivo-crítica, Artists' Books Online é uma reconhecida referência no que diz respeito à disseminação e investigação sobre livros de artista. Dirigida pela investigadora e autora de livros de artista Johanna Drucker, a organização da coleção obedece a rigorosos parâmetros de exposição, indexação e metainformação acerca dos objetos artísticos, cuja apresentação individual é estruturada em quatro níveis de representação, que obedecem à lógica dos estudos bibliográficos. São estes: ‘Work’; ‘Edition(s)’; ‘Object(s)’; e ‘Images’. O primeiro nível, ‘Work’, apresenta o projeto em causa em toda a sua contextualização, com referência e apresentação das diferentes instâncias que compõem o projeto; o nível ‘Edition(s)’ integra os materiais e recursos utilizados no processo de produção da obra; o terceiro nível, ‘Object(s)’, é a instanciação da descrição e catalogação do objeto específico; e por fim, ‘Images’ expõe os fac-símiles da obra apresentada. Estas fotografias de grande qualidade oferecem a possibilidade de uma aproximação simulada ao objeto: são disponibilizadas as imagens de todas as páginas que compõem o livro. Estas são apresentadas individualmente, abandonando a lógica da dupla página do códice impresso, e navegáveis por processos de zoom que, até um certo nível, colmatam a limitação da remediação e da interface digital na perceção dos objetos expostos, nomeadamente a sugestão da experiência háptica que tantas destas obras reclamam. A remediação é composta ainda pela inclusão de subcategorias que informam acerca dos metadados da edição: desde os meios de produção, às técnicas de encadernação, passando pela configuração formal e de conteúdo, até à transcrição do cólofon. A desconstrução do objeto artístico como estratégia de transdução e trans-mediação do livro impresso para uma representação digital é bastante operativa na apreciação dos objetos que compõem o repositório. Esta técnica é enriquecida pelo léxico do universo bibliográfico, pelos comentários expositivos e críticos que acompanham os diferentes componentes que concorrem para uma reconstrução da unidade bibliográfica. Artists' Books Online compreende, também, a secção de ‘Exhibits’ com curadoria específica e uniformidade temática. A organização geral do repositório está estruturada por título, artista, data de publicação e coleção, abrindo diversas hipóteses de navegação e exploração da coleção de livros de artista.

Bibliografia relacionada:
Drucker, Johanna (1995). The Century of Artists’ Books. New York: Granary Books.
Mœglin-Delcroix, Anne (2012). Esthétique du livre d’artiste. Une introduction à l’art contemporain. Marseille: Le Mot et le reste [2ª edição].
Portela, Manuel (2013). Scripting Reading Motions. The Codex and the Computer as Self-Reflexive Machines. Cambridge, MA: The MIT Press.

 

4.

Tipo.PT
http://tipo.pt/index.php/pt/
Responsáveis: Isabel Baraona e Catarina Figueiredo Cardoso. Data de publicação: 2013-2014 [em curso]. Acesso aberto.


 

Figura04

Desenvolvida no âmbito do projeto de pós-doutoramento de Isabel Baraona (Universidade Rennes 2) e do projeto de doutoramento de Catarina Figueiredo Cardoso (Estudos Avançados em Materialidades da Literatura, Universidade de Coimbra), a base de dados Tipo.PT incide sobre publicações artísticas, abrangendo uma grande variedade de formatos e géneros: livros de artista, revistas, zines, folhetos e cartazes, o que se traduz na atenção a edições de autor, a produções independentes e small press, e a diversas técnicas de impressão, desde o offset ao digital, ao laser, à gravura, tipografia, e serigrafia, entre outros, no contexto português. Tipo.PT é o único projeto desta natureza que se dedica exclusivamente à produção nacional, ou que de alguma forma estabelece uma relação com o espaço editorial português. O catálogo, em construção, serve também de espaço analítico e crítico. A contextualização e informação relevante acompanha os objetos gráficos indexados. O material catalogado é organizado em duas secções: ‘Edições’ – referentes a objetos não seriados – e ‘Periódicos & Colecções’ – dedicado às edições periódicas. As obras podem ser apresentadas e pesquisadas por título, por autor, por editor ou cronologicamente (‘Edições’: 1963-2013; ‘Periódicos & Colecções’: 1952-2013), sendo que cada entrada é composta por informações acerca da autoria, composição, processo de produção, edição e impressão, assim como por fotografias ilustrativas. O arquivo inclui, ainda, uma extensa lista bibliográfica acerca da temática livros de artista e da materialidade do livro enquanto objeto artístico. O catálogo em linha é acompanhado por uma edição impressa, o anuário Portuguese Small Press Yearbook, que apresenta a produção anual portuguesa de edições independentes e de autor e aponta para produções futuras, fazendo-se acompanhar, à semelhança da publicação eletrónica, de textos críticos e académicos. Tanto a publicação em linha como a impressa são apresentadas em língua portuguesa, inglesa e francesa, constituindo-se como um útil recurso de informação e investigação na área do livro enquanto objeto artístico e como forma de disseminação da produção portuguesa nesse campo.

Bibliografia relacionada:
Cardoso, Catarina Figuereido, org. (2013). Portuguese Small Press Yearbook. Lisboa: Portuguese Small Press Yearbook.
Pires, Paulo do Vale (2013). Tarefas Infinitas: Quando a Arte e o Livro se Ilimitam. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

 

5.

University of Iowa Libraries Bookbinding Models
http://digital.lib.uiowa.edu/binding/index.php
Responsável atual (Digital Research and Publishing): Paul Soderdahl. Data de publicação: 2009-2014. Acesso aberto.


 

Figura05

A coleção de modelos de encadernação da Biblioteca Digital da Universidade do Iowa assenta no espólio de modelos histórica e culturalmente transversais de formas de encadernação do códice. Estes modelos representam distintas formas de conceptualização, de modos de funcionamento do livro e de técnicas de encadernação. A descrição de cada réplica fornece informações históricas e culturais – com réplicas desde o século I até à modernidade e abrangendo práticas de regiões geográficas que incluem países africanos, asiáticos, europeus e americanos – e, ainda, um conjunto de metadados acerca do contexto de produção. A exposição de cada modelo assenta em fotografias com grande resolução e com grande capacidade de aumento, apresentando os objetos com particular atenção aos detalhes e especificidades do modelo, sendo que a tridimensionalidade do livro é evidenciada e percecionada de forma quase tangível. Importa, a este respeito, salientar que grande parte dos modelos pertencentes à coleção foram fabricados por Gary L. Frost, um reputado conservador e investigador da história do livro, e produzidos como kits de instrução e formação para os seus alunos, valorizando a experiência sensorial e háptica do funcionamento do livro. O espólio da coleção de Modelos de Encadernação da Biblioteca da Universidade do Iowa apresenta-se, deste modo, como um interessante recurso didático transdisciplinar: um acervo que tanto serve a história tecnológica e material ou os métodos de conservação bibliográfica, como a sociologia e os estudos culturais do livro.

Bibliografia relacionada:
Frost, Gary (2005). “Reading by Hand: The Haptic Evaluation of Artists’ Books.” The Bonefolder: An e-journal for the Bookbinder and Book Artist 2.1: 3-6.
Miller, Julia (2012). Books Will Speak Plain: A Handbook for Identifying and Describing Historical Bindings. Tuscaloosa, AL: The Legacy Press.
________ ed. (2013). Suave Mechanicals: Essays on the History of Bookbinding. Tuscaloosa, AL: The Legacy Press.

 

6.

Post-Digital Publishing Archive
http://p-dpa.net/
Responsável: Silvio Lorusso. Data de Publicação: 2013-2014 [em curso]. Acesso aberto.


 

Figura06

P–DPA (Post-Digital Publishing Archive) encontra-se ainda numa fase experimentação (beta) mas não deixa de ser um importante espaço em linha no que se refere à publicação de objetos artísticos contemporâneos. Silvio Lorusso leva a cabo um exercício de recoleção, organização e exposição de objetos relevantes no âmbito da atual interseção entre as práticas de publicação e as tecnologias digitais. Estruturada em três áreas de artísticas definidas por Lorusso – design crítico, livros de artista/bookworks e arte dos novos média – a curadoria da coleção revela um particular interesse pela inquirição acerca da forma dos objetos artísticos que se vão desenvolvendo no contexto cultural da digitalidade e também pela exploração dos seus modos e complexidades de funcionamento. Apesar de nem todas as obras se integrarem na categoria livro, a maioria reflete sobre a condição bibliográfica e codicológica enquanto meio, interface e mecanismo tecnológicos. O índice de pesquisa – dividido em autores, trabalhos, média, tecnologias, plataformas e palavra-chave – dá conta dessa complexidade e hibridação dos objetos apresentados e do próprio conceito de publicação pós-digital em que a digitalidade já não é algo de culturalmente revolucionário mas que se naturalizou no quotidiano contemporâneo por processos de integração com outras práticas tecnológicas, nomeadamente analógicas. Na apresentação de cada objeto são disponibilizadas imagens e informações acerca da obra, dos meios e plataformas respetivos, dos processos, técnicas e agentes de publicação e das características formais e materiais que a definem. São ainda fornecidas ligações para outras obras e documentos relacionados (links, vídeos, códigos fonte…) que promovem o estabelecimento de inter-relações entre os vários elementos da coleção. Este convite à exploração crítica dos materiais expostos é sublinhada pela integração, no separador ‘Articles’, de reflexões e comentários de análise crítica sob a forma de artigos, entrevistas e ensaios. P–DPA representa um interessante exercício de sistematização das formas mais experimentais de publicação assim como uma útil forma de acesso tanto a materiais empíricos como críticos sobre as produções mais atuais.

Bibliografia relacionada:
Ludovico, Alessandro (2012). Post-Digital Print: The Mutation of Publishing Since 1894. Eindhoven: Onomatopee.
Andersen, Christian Ulrik, Geoff Cox and Georgios Papadopoulos, eds (2014). A Peer-reviewed Journal About //Post-Digital Research 3.1. http://www.aprja.net/?page_id=1291
Cramer, Florian (2014). “What is ‘Post-digital’?” A Peer-reviewed Journal About //Post-Digital Research 3.1. http://www.aprja.net/?p=1318

 

7.

The Institute for the Future of the Book
http://futureofthebook.org/
Data de publicação: 2004-2014 [em curso]. Annenberg Center for Communication, Universidade da Califórnia do Sul. Acesso aberto.


 

Figura07

The Institute for the Future of the Book é um projeto do Centro de Comunicação Annenberg da Universidade da Califórnia do Sul, e está sediado em Brooklyn, Nova Iorque, delegação que tem o apoio das Bibliotecas da Universidade de Nova Iorque. O grupo norte-americano faz parte de uma rede que integra duas organizações similares independentes, respetivamente em Londres (http://futureofthebook.org.uk/, fundada em 2007) e Brisbane (http://www.futureofthebook.org.au/, fundada em 2010). Já com uma década de existência, o seu objetivo é compreender o impacto da passagem da página impressa para o ecrã em rede, agregando projetos com objetivos similares e promovendo iniciativas públicas de reflexão e formação sobre este processo. Trata-se de pensar criticamente a recodificação da arquitetura informacional do livro impresso decorrente da sua produção, distribuição e leitura através das redes digitais de comunicação. Um dos objetivos declarados do Instituto para o Futuro do Livro é ajudar os leitores nesta transição entre o livro impresso e o livro em rede através do desenvolvi-mento de ferramentas eletrónicas que permitam explorar o potencial e os limites da reticularização e ecranização dos livros. A complexidade, a escala e a velocidade dos processos técnicos e económicos em curso na produção e distribuição do livro tornam difícil não só descrever de forma rigorosa estas transformações, como também tirar o melhor partido da recodificação digital da arquitetura informacional dos livros. No blog do projeto (“if:book: A Project of The Institute for the Future of the Book” http://futureofthebook.org/blog/, 2004-2014) são publicadas breves reflexões e referências relevantes para pensar a problemática das formas e práticas do livro no atual contexto económico de produção editorial híbrida, caraterizada um número crescente de formas multimédia do livro distribuídas em rede para diferentes plataformas e dispositivos (pc, tablet, smartphone). Em conjunto, as três organizações têm sido responsáveis por um conjunto de iniciativas de discussão pública, formação de leitores, publicação e disseminação de conhecimento, cujo arquivo pode ser consultado nos respetivos sítios web.

Bibliografia relacionada:
Darnton, Robert (2010). The Case for Books: Past, Present, and Future. New York: Public Affairs.
Striphas, Ted (2011). The Late Age of Print: Everyday Book Culture from Consumerism to Control. New York: Columbia University Press.

 

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



Copyright (c) 2014 Sandra Bettencourt, Manuel Portela


ABCDEFGH ISSN 2182-8830 JKL MATLIT | MATERIALIDADES DA LITERATURA | MATERIALITIES OF LITERATURE NOPQRSTUVWXYZ