O exílio liberal português de 1828-1832, um fenómeno multidimensional: práticas sociais e culturais

  • Fábio Alexandre Faria ISCTE-IUL

Resumo

No contexto revolucionário europeu dos inícios do século XIX, fortemente instável, após D. Miguel regressar a Portugal do seu exílio em Viena e tomar o trono português, em 1828, milhares de liberais, fugindo da perseguição absolutista, abandonaram o país com destino ao maior exílio português de Oitocentos. Apesar de se constituir inicialmente como um fenómeno inteiramente político, o exílio liberal português de 1828-1832, assumiu-se como uma experiência bastante mais ampla, englobando uma diversidade de dimensões. Nunca perdendo a sua componente política, vincadamente presente, foi também um fenómeno de elevada importância social, cultural e intelectual,com visíveis repercussões após a  vitória liberal na guerra civil de 1832-1834. Explora-se, neste artigo, cada uma dessas dimensões e demonstra‑se que este exílio, apesar das inúmeras dificuldades que a ele estiveram associadas, contribuiu para o desenvolvimento cultural e intelectual de Portugal. Assim, dar-se-á particular atenção às práticas sociais e culturais que marcaram o quotidiano da elite liberal exilada.

https://doi.org/10.14195/1645-2259_16_12

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-12-30
Como Citar
FARIA, Fábio Alexandre. O exílio liberal português de 1828-1832, um fenómeno multidimensional: práticas sociais e culturais. Revista de História da Sociedade e da Cultura, [S.l.], v. 16, p. 271-292, dez. 2016. ISSN 2183-8615. Disponível em: <http://iduc.uc.pt/index.php/rhsc/article/view/3974>. Acesso em: 28 maio 2017.
Secção
Artigos

Palavras-chave

Exílio político; exilados; vida quotidiana; circulações internacionais; Inglaterra