O tempo de resposta do ataque inicial a incêndios florestais nos espaços mais sensíveis de Portugal: o exemplo prático da serra da Lousã

  • Fernando Félix Universidade de Coimbra
  • Luciano Lourenço Universidade de Coimbra

Resumo

A ocorrência de incêndios florestais necessita da conjugação de condições atmosféricas favoráveis, vegetação combustível e uma fonte de ignição. Reunidas estas três condições, os incêndios florestais começam, normalmente, por ser pequenas fogueiras. Depois, a reposta do ataque inicial determina, quase sempre, as características que os incêndios acabam por assumir, pelo que o tempo necessário para essa resposta deverá estar em consonância com as características intrínsecas a cada um dos espaços florestais, para assim se mitigarem as consequências e reduzirem as dimensões das áreas ardidas.

 

https://doi.org/10.14195/1647-7723_24_14

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-03-30
Como Citar
FÉLIX, Fernando; LOURENÇO, Luciano. O tempo de resposta do ataque inicial a incêndios florestais nos espaços mais sensíveis de Portugal: o exemplo prático da serra da Lousã. Territorium, [S.l.], n. 24, p. 187-211, mar. 2017. ISSN 1647-7723. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/4112>. Acesso em: 23 out. 2017.

Palavras-chave

Ataque inicial; tempo de resposta; sensibilidade; incêndios florestais; serra da Lousã

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)